quarta-feira, 14 de julho de 2010

PT do MA deixa dois Josés enlouquecidos...



Ao inaugurar o Comitê Dilma-Flavio, ontem, na sede do PT regional, o PT do Maranhão “enloucequeceu” dois “Zés”: o Dirceu e o Sarney.

O Zé Dirceu porque foi desmentido para todo o País.

Ao contrário do que afirmara em seu blog, nenhum dos petistas antissarney faz o jogo do PSDB no Maranhão. Enquanto José Serra chegava ao aeroporto de São Luís, estavam na sede do partido, reafirmando seu apoio a Dilma – que também inaugurava à noite o Comitê Nacional em Brasília -, petistas contrários à torta aliança de Dirceu com o sarneismo, entre eles: Augusto Lobato, Ananias Neto, Bira do Pindaré, Francisco Gonçalves, Franklin Douglas, Genilson Alves, Marcio Jardim, Marlon Botão, Marlon Henrique, Manoel da Conceição, Silvio Bembem, dentre outros. Todos com Dilma-presidente, Flávio-governador e José Reinaldo–senador.

O Zé Sarney enlouquece a cada tentativa frustrada de não ver inviabilizada a candidatura Dino-Zé Reinaldo.

O que mais incomoda a oligarquia barrica é ver a foto Lula-Dilma-Flavio.

Ou seja, a determinação do verdadeiro PT, aliado a PCdoB e PSB, em não abrir mão do legado do governo Lula no Maranhão e de disputar o eleitorado lulista maranhense: das 874 mil famílias do Programa Bolsa Família no Maranhão aos beneficiados do Luz para Todos, Plano Safra da agricultura familiar, ProUni, Minha Casa, etc. Ações de governo que a oligarquia nunca realizou e tenta se apropriar sozinha no Estado.

Com Dilma-Flávio-Zé Reinaldo e seus candidatos a deputado federal e estadual, o PT antissarney segue em frente com a coligação “MUDA MARANHÃO”!




terça-feira, 13 de julho de 2010

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Poesia de Quinta - Número 89

Por Deíla Maia

Pessoal,

Há alguns anos, aqui em São Luís, um movimento cultural de vanguarda tem a teimosia de continuar vivo: a Confraria do Aprendiz de Feiticeiro.

Para os que não são ou não moram na Ilha do Amor, cabe uma breve explanação: a Confraria do Aprendiz de Feiticeiro é uma reunião de pessoas amantes da cultura, sob todas as formas, que se encontram (em geral, uma vez por mês) para tocar boas músicas, declamar poesias, dançar, bater papo, filosofar, rir..., enfim, para curtir a "magia" da vida.

As reuniões são em locais variados: no apê do Confrade-mor, em locais públicos, na Praia da Guia ...O lugar não importa muito, o importante é rever os amigos, desfrutar bons momentos em excelentes companhias.

O idealizador e promotor cultural deste imprescindível movimento faz aniversário hoje: meu querido Gois Jr - músico, poeta, advogado, professor, blogueiro, agitador cultural... Um homem inteligente, bonito, delicado, sensível, meu Confrade-Mor!!!

Para ele dedico a Poesia de Quinta de hoje, com uma poesia do próprio, que eu adoro: "Por falar em Alice..."

Recomendo fortemente também a leitura do blog dele: Matraca Digital. O endereço é:

Beijos enfeitiçados,

Deíla

E por falar em Alice…

José Caldas Gois Jr.


ALICE !

Como que caído do buraco do Coelho

Num mundo nonsense de uma Alice de imaginação tão cheia

Sou todo estranho; aprecio ser espanto !

Pintor de quadros realistas

Fotógrafo de fotos surreais

Advogado artista

Aprendiz dos meus filhos

Mestre dos meus pais


Poeta lírico num tempo de poesia concreta

cético com pensamentos transcendentais

Romântico obsceno

Um adversário ameno,

Um amigo mordaz.

Mestre chapeleiro, não gosto de aniversários, desnecessários,

Comemoro a vida todos os dias !


Sempre apressado;

quem vê a vida da metade estatística dela vive essa síndrome do Coelho

Abre-se minha saia (se eu usasse uma)

E me vejo no espelho:

Onde eu subia, eu caio

Onde era azul, sou vermelho.

Como que caído no buraco do Espelho

Num mundo Alice de uma nonsense imaginação tão cheia

Sou todo espanto, aprecio ser estranho !

domingo, 4 de julho de 2010

A OLIGARQUIA E A INTRIGA

Por Franklin Douglas

Noberto Bobbio buscou, em seu Dicionário de Política, sintetizar os diversos conceitos que giram em torno da política. Nessa obra, elaborada conjuntamente com Nicola Matteucci e Gianfranco Pasquino, ele trata de vários verbetes, entre os quais se dedicou evidentemente ao da “política”.

Mais do que a mera definição, o pensador italiano também refletiu acerca do conceito: significado clássico e moderno, tipologia, fim da política e a política como relação amigo-inimigo. Especificamente sobre esta última, diz Bobbio: “política seria o antagonismo e sua função consistiria na atividade de associar e defender os amigos e combater os inimigos” (BOBBIO et al, 1995, p. 959).

A política como relação amigo-inimigo tem necessariamente um terceiro ente envolvido: o uso da força. Com o monopólio do uso da força, a resolução dos conflitos entre amigo versus inimigo dar-se-ia à favor daquele com a possibilidade maior de uso da força.

Este preâmbulo todo o faço para um alerta às oposições: a oligarquia de tudo fará para separá-las e garantir a vitória eleitoral neste pleito de 2010, e um desses instrumentos será constituir, pelo uso da força midiática que possuem, amigos em inimigos.

O maior exemplo vem da convenção do PCdoB, PSB e PPS que homologou as candidaturas de Flavio Dino (PCdoB) – governador, Miosótis Lúcio (PPS) – vice, Adonilson Lima (PCdoB) e José Reinaldo Tavares (PSB) – senadores, realizada no último dia 30 de junho, no auditório da Assembléia Legislativa.

Como de esperar, cada um desses candidatos foi chamado a discursar. Especialmente sobre o discurso do ex-governador José Reinaldo Tavares (PSB), a mídia sarneista assim retratou:

“(...) Foi José Reinaldo quem deu o tom das provocações aos jackistas, quando falou sobre a adesão do PPS: ‘O PPS resolveu romper as amarras que o mantinham preso àquele esquema que não leva a nada’. O ‘esquema’ é a coligação do PDT com o PSDB, da qual o PPS sempre foi linha auxiliar”. (O Estado do MA, 01/07/2010, p. 03).

E acrescenta o jornal:

“Em seguida, o presidente da legenda, Paulo Matos, tentou consertar, fazendo referências a Jackson Lago e Roberto Rocha (candidato ao Senado pelo PSDB), mas foi vaiado.” (O Estado do MA, 01/07/2010, p. 03).

Eis o fato devidamente recortado segundo o ângulo de interesse da oligarquia: transformar amigos em inimigos, a partir do uso da força midiática que tem, para, ao final, derrotá-los pela incapacidade de unirem-se.

Em jornalismo chama-se de enquadramento, orientação editorial, o tom que as matérias recebem pelo periódico antes de ser publicada. Nada mais a esperar de O Estado do Maranhão senão essa angulação divisória das oposições: “ ‘O PPS resolveu romper as amarras que o mantinham preso àquele esquema que não leva a nada’. O ‘esquema’ é a coligação do PDT com o PSDB”...

Agora, com o testemunho de quem estava lá – e de quase duas mil pessoas outras – veja o fato real acontecido no discurso de José Reinaldo que, ao tomar a palavra, iniciou saudando Paulo Matos – presidente do PPS:

“Quero saudar aqui o Partido Popular Socialista na pessoa de seu presidente, na sua posição firme em estar conosco. Saibam que, antes dessa decisão, o Paulo recebeu DEZESSEIS TELEFONEMAS DA ROSEANA SARNEY, que queria a todo custo levar o PPS para sua coligação, que já tem 16 partidos! Por que tantos partidos? Isso tudo é medo de disputar com o Flávio o governo do Estado. Parabéns ao Paulo e ao PPS, por ter se livrado das amarras desse esquema que não leva a nada!

Percebe, caro (a) leitor (a), o quanto se modifica o sentido ao se retirar a frase de seu contexto? E mais, ao incluir algo que não foi dito, a referência à coligação de Jackson Lago como aquela que “amarrava o PPS”?

E que diria se soubesse que Paulo Matos foi vaiado não por qualquer referência ao Jackson Lago, mas quando fez a defesa do candidato de seu partido à presidência, o tucano José Serra?

Mas o que manchetou O Estado?

PCdoB e PSB LANÇAM DINO COM VAIAS AO GOVERNO LULA” (O Estado do MA, 01/07/2010, capa).

Pois é. E assim circulam centenas de exemplares do jornal, que repercutem em dezenas de rádios e blogues do sistema oligárquico de comunicação e, rapidamente, disseminam-se milhares de boatos cujo objetivo maior é intrigar os membros das oposições. Que, por sua vez, são tentados a trocar farpas e a responder entre si. O que, na prática, constrói um clima de inevitável desunião. Tudo o que a velha oligarquia quer!

Cuidado aos líderes das oposições para não se matarem entre si e deixarem o inimigo principal vivo, leve e solto, pois como diz Norberto Bobbio: “são os conflitos em que, confrontados os contendores como inimigos, a vita mea é a mors tua !

-------------

(*) Franklin Douglas jornalista e professor, 37 anos.
Artigo publicado no Jornal Pequeno, edição de 05/07/2010

DUPLO EQUILIBRIO

Por Haroldo Saboia

Definidas as coligações majoritárias e escolhidos os candidatos ao governo, podemos afirmar que as eleições maranhenses, deste ano de 2010, serão disputadas tendo como baliza dois pontos de equilíbrio.

O primeiro entre as forças oposicionistas, os novos balaios, em um campo, e a velha oligarquia barrica, em outro.

Estes dois campos disputam, ferreamente, a maioria do eleitorado maranhense.

Na realidade, desde a adoção de dois turnos para eleições de governador, em 1990, apenas em 1998 a disputa foi definida logo no primeiro turno.

Em 1990, Castelo disputou com Lobão o segundo turno (Conceição Andrade foi afastada na primeira rodada). Em 1994, Cafeteira enfrentou Roseana, depois de superar Jackson Lago no primeiro turno. Em 2002, a soma dos votos das oposições superou o total dos votos governistas. A oligarquia, todavia, derrotada no primeiro evitou o segundo turno graças a anulação dos votos do candidato a governador do PSB oposicionista ( em torno de quatro por cento dos votos válidos ). Em 2006, Roseana alcançou apenas 47 por cento no primeiro escrutínio. Mais uma vez tivemos dois turnos, com a vitória de Jackson Lago.

O segundo ponto de equilíbrio será no próprio interior do campo oposicionista. Será a disputa, igualmente acirrada e equilibrada, pela segunda colocação.

Será o embate entre o candidatado da coligação PDT-PSDB, o ex-governador Jackson Lago, e o do PCdoB-PSB-PPS, o deputado federal Flávio Dino.

Parto do princípio que estes dois candidatos terão, no mínimo, a metade dos votos válidos. Em 2006, Jackson com 34 %,Vidigal com 14 % e Aderson com 4 % superaram esta barreira e ,somados, atingiram 52 % do eleitorado maranhense.

Esta corrida pelo segundo turno será necessária e obrigatoriamente civilizada. Do contrário não será uma disputa será um suicídio (e suicídio coletivo, posto que a responsabilidade dos candidatos não é de caráter individual e,sim,social).

Há quem duvide do caráter imprevisível desta disputa e aposte em um franco favoritismo do ex-governador Jackson Lago.

Não compartilho deste ponto de vista. Entendo que ao longo da campanha Lago tenderá a perder pontos para o candidato Dino.

E perderá tanto mais se mantiver sua postura atual e recusar, veementemente, qualquer autocrítica séria dos graves erros políticos de sua administração. A persistir a influência exercida pelo todo poderoso supersecretártio Aziz Abud Santos que desafiou a opinião pública com uma sem-cerimônia capaz de fazer inveja a qualquer jorge-murad-da-vida ( estão aí os professores da rede pública estadual !!! ),Jackson Lago perderá para Flávio Dino,lenta e gradativamente , sua condição de candidato favorito e natural da oposição mercê de sua longa militância política e da violência que sofreu pelos tribunais a serviços da oligarquia maranhense.

Seja como for, as duas candidatura tendem - no meu modestíssimo entendimento - a uma confluência em torno do vinte e cinco por cento dos votos. Aquele que superar seu concorrente no campo das oposições o fará por pequena, pequeníssima margem de votos.

Nesse quadro, todo e qualquer erro de um e de outro acabará por afetar a soma dos dois, beneficiando a tetra candidata Roseana Sarney e Murad, aquela que Duda Mendonça insiste em apresentar como novidade embora seja, na política maranhense, mais antiga que a Sé de Braga.

Poesia de Quinta - Número 88

Por Deíla Maia

Pessoal,

Este ano fui passar o São João no circuito nacional do forró (Campina Grande, Caruaru etc.) e logo na chegada do aeroporto de Campina, recebi um cordel tão bonitinho, entregue a todos os turistas...

Achei uma gracinha e super criativo. O cordel do sertão ajudando a divulgar os direitos dos consumidores. Fofo!!!

Não vou copiar todo, porque é grandinho (é um mini-livro), mas vou compartilhar com vocês um trechinho, para vocês sentirem o gosto bom das terras de lá.

A Poesia de Quinta de hoje vai especialmente dedicada a minha querida amiga Cassandra Queiroz, que foi minha super anfitriã lá em Campina Grande. Ela ficou lá e eu voltei, pois o trabalho me chama... :)


Um "xêro"a todos,

Deíla
O CORDEL DOS SEUS DIREITOS

Manoel Monteiro

Ao MAIOR SÃO JOÃO
DO MUNDO quem quiser vir
Vai dançar, beber, flertar,
Comer bem, se divertir,
Porém sem ser explorado
Porque terá a seu lado
O PROCON pra garantir.

Dançar não é proibido
Flertar muito também não
O que não é permitido
É cobrar CONSUMAÇÃO
MÍNIMA e isso porque
Só podem cobrar você
Do que pediu no "balcão".

No caso dos 10%
Do garçom é facultado
Ao consumidor pagar
Ou deixar isso de lado,
Todo mundo é sabedor
Que cabe ao empregador
Pagar ao seu empregado.

Se o garçom é esforçado,
Atencioso e cortez
Desses que quando o chamamos
Ele vem com rapidez,
Quem lhe der um numerário
Não está pagando salário,
Mas, premiando o que fez.


(...)


No MAIOR SÃO JOÃO
DO MUNDO pode brincar,
Consuma o que lhe aprouver
Que ninguém vai lhe explorar
Na qualidade ou no preço,
Se houver algum tropeço
Vá ao PROCON reclamar.

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Coluna Haroldo Saboia no JP (28/6/2010)

NO FIO DO BIGODE

No PT não vale mais a máxima “no fio do bigode” quando se trata de manter a palavra empenhada em acordos internos. Por exemplo, vejamos o protocolo estabelecido entre o presidente nacional do partido, José Eduardo Dutra e os militantes maranhenses (Manoel da Conceição, Domingos Dutra e Terezinha Fernandes) que encetaram greve de fome contra decisão dão Diretório Nacional que impôs coligação com o PMDB local e, conseqüente, apoio formal a candidatura de Roseana Sarney ao governo do Estado.

Pelo acertado por Eduardo Dutra e o líder da bancada petista na Câmara Federal,deputado Fernando Ferro,e o deputado Geraldo Magela, coordenador da tendência Movimento PT, caso encerrassem a greve de fome Dutra,Terezinha e Manoel teriam asseguradas as seguintes “garantias”:

1) Não haveria obrigatoriedade dos petistas maranhenses em apoiar Roseana Sarney.Eles poderiam fazer campanha ao candidato Flávio Dino sem qualquer retaliação da Direção Nacional;

2) Os petistas aliados a Sarney e Roseana Murad, Washington Oliveira , a deputada Heluy e o secretário José Antonio Heluy não promoveriam novo Encontro Estadual ;

3) A Convenção Partidária Estadual seria agendada em comum acordo entre as duas correntes partidárias.

Menos de 48 horas após o protocolo - segundo importante liderança petista contrária a submissão do PT à oligarquia barrica dos sarneys - “todos estes três pontos foram para o espaço”.

Mesmo sem discutir o mérito do “protocolo” podemos desde logo concluir que no PT de hoje, pelo visto, bigode só se for dos maribondos de fogo.


GREVE COMEÇAVA A INCOMODAR

A greve de fome do deputado federal Domingos Dutra e do líder camponês e fundador do PT ,Manoel da Conceição, já começava a incomodar a direção partidária,a coordenação da campanha de Dilma Roussef e a própria Presidência da República.

Ao completar uma semana, o protestos dos lideres maranhenses (que receberam a solidariedade da ex-deputada federal Terezinha Fernandes) começava a ganhar maior repercussão.

As revistas semanais de maior circulação no país, VEJA e ÉPOCA, lançadas neste fim de semana dedicaram grande espaço a greve de Dutra e Manoel da Conceição.

A Veja estampou foto de Dutra em sua coluna PANORAMA:Veja Essa. Já a revista ÉPOCA dedicou duas páginas aos petistas maranhenses contrários a José Sarney e sua filha Roseana Murad.

Em matéria relacionada às eleições 2010, a ÉPOCA reproduz foto de Manoel da Conceição e Domingos Dutra no plenário da Câmara Federal com a legenda: militantes históricos resistiram à aliança com Sarney.

“Tudo tem limite companheiro: assim falou o fundador do PT, Manoel da Conceição. Ele fez greve de fome contra a aliança com Sarney no Maranhão e obrigou a cúpula do partido a recuar” - é como é feita a chamada da reportagem assinada pelo jornalista Leonel Rocha,da Época.

Já a Folha de São Paulo, edição de sábado,19, em matéria assinada por Andreza Matias e Nancy Dutra informa que a cúpula petista aceitou assinar acordo com os grevistas devido ao agravamento do estado de saúde dos dois e que “também pesou o protesto sofrido pela presidenciável Dilma Roussef durante viagem a Paris por conta do apoio à família Sarney. A Folha apurou - dizem ainda – que a direção do PT temia que manifestações como essa se repetissem gerando prejuízos à imagem da candidata.

O GESTO DE MANOEL... (I)

Excelente e oportuníssimo o artigo do historiador e professor da UFMA,Wagner Cabral da Costa, “O GESTO DE MANOEL DA CONCEIÇÃO” com o sub-título “ Conheça o ‘desconhecido’ maranhense que ousou desafiar a direção nacional do PT e a Presidência’ publicado pelo jornal O Estado de São Paulo,no importante caderno ALIÁS,A SEMANA REVISTA.

Wagner traça o perfil do legendário líder camponês maranhense de Timbiras, de suas lutas nos Movimentos de Educação de Base (MEB) às lutas dos trabalhadores rurais no Vale do Pindaré, das prisões,espancamentos e torturas que sofreu ao exílio que enfrentou na Suíça,do retorno à fundação do Partido dos Trabalhadores.

O GESTO DE MANOEL... (II)

O historiador Wagner Cabral lembra ainda que Manoel da Conceiçao,o nosso Mané como é tratado carinhosamente, foi lembrado pelo sindicalista Lula,o hoje presidente Luis Inácio Lula da Silva,e outros formuladores do PT e convidados entre os seis brasileiros que figuraram na ata de fundação como vinculados organicamente às diversas tradições de luta do povo brasileiro”.

Foram eles - lembra Cabral _ “seis signatários que representavam simbolicamente essas vertentes da esquerda: Mário Pedrosa, escritor, crítico e líder socialista; 2) Manoel da Conceição,líder camponês; 3) Sérgio Buarque de Holanda, historiador; Lélia Abramo, do Sindicato dos Artistas do RJ; 5) Moacir Gadoti, que assinou em nome do educador Paulo Freire; e 6) Apolônio de Carvalho, combatente na Guerra Civil Espanhola e na Resistência Francesa,um dos líderes dos movimentos da resistência popular” contra a ditadura militar brasileira.

DOM VILSON

O Padre Vilson Basso foi consagrado bispo de Caxias, sábado,9. Substitui dom Luis D´Andréa de 76 anos.

Dom Vilson, gaúcho, tem 50 anos e é membro da Congregação do Sagrado Coração de Jesus. No Maranhão, viveu em Santa Inês, Alto Alegre, Santa Luzia do Tide e em São Luis sempre ligado aos movimentos de jovens. Foi coordenador regional e nacional da Pastoral da Juventude da CNBB, antes de seguir para o exterior onde viveu nas Filipinas.

Sua escolha foi muito aplaudida pelos movimentos sociais e pelas organizações populares de todo o Maranhão.

SARAMAGO

Elegante e bela homenagem do jornal O Estado de São Paulo ao escritor português falecido, em Espanha, no sábado:

“JOSE SARAMAGO * 1922 + 2010-06-20 10

Língua portuguesa perde uma de suas vozes universais”.

JUSTIÇA LIMPA

O Tribunal Superior Eleitoral tão rigoroso na interpretação e na orientação de como de vê ser aplicada a Lei da Ficha Limpa tem a obrigação histórica de impor aos seus membros o necessário rigor, presteza e imparcialidade em seus julgamentos.

Os maranhenses não entendem como tiveram seus votos invalidados pela cassação do diploma do governador que elegeram em 2006, Jackson Lago, enquanto as ações contra a candidata derrota

Roseana Sarney Murad continuam adormecidas nos escaninhos e nas gavetas fichas sujas do tribunal.


JACKSON FICHA LIMPA

Mesmo que o entendimento geral aponte para o fato de que a “cassação” de Jackson pelo TSE ao acatar um recurso contra a sua diplomação não o tornou inelegível, será grande o prejuízo político e eleitoral que terá que arcar por mais uma pendenga judicial.

Ainda bem que o famigerado ministro Eros Grau já foi devidamente refugado pela Academia Brasileira de Letras foi condenado,para todo o sempre, à mortalidade.

Eros Grau não passa, para muitos, de um reles “escritor pena suja”.