sábado, 26 de julho de 2014

sábado, 19 de julho de 2014

Artigo Wagner Baldez: RETÓRICA DE FUMAÇA - para conhecimento da nova geração



Existem homens públicos que, no exercício de seus mandatos, cultivam a mórbida pretensão de enganar o povo; esforçando-se por fazer-nos acreditar na “pureza” de suas encenações artisticamente urdidas.
Apesar dos muitos comediantes que atuam nesse cenário, o que mais se identifica com aludido perfil é o senador José Sarney, devido à agravante de sua retórica produzir maior volume de fumaça do que propriamente o poder de fogo por ele supostamente imaginado.
Tudo que ele prega é produto de consumo pessoal, porque, na prática, age de forma diferente, não passando de um vezeiro queimador de eloquentes palavras.
Nos discursos produzidos no Parlamento Nacional, proclama-se democrata e progressista, no entanto, historicamente, não passa de um ardoroso defensor de ditadura, a exemplo do que aconteceu em 64; chegando inclusive à condição de presidente do partido dos militares (ARENA).
Com esta sigla, conviveu pacífica e comodamente, apoiando medidas arbitrárias. Quem, com maior empenho, na área civil, elogiou o AI-5? Ocasião em que acusou a oposição de simplista por haver esta se posicionado de forma contrária a tais irregularidades? O então governador Sarney!
Comporta neste espaço acrescentar a afirmação que fez da Tribuna do Senado, a respeito da nossa soberania, que segundo ele passava a ser exercida em toda a sua plenitude com o advento dos militares no poder, deixando, pois, de ser mero “slogan”!
Apesar de suas habituais mistificações, não consegue esconder as suas honoríficas qualidades de itinerante no campo político-ideológico: atitudes que lhe asseguram a titularidade de Trivial convolador!
Aferrado ao individualismo, preconceitos e superstições, o seu horizonte não passa da altura do seu umbigo.
Essas atrofias, sempre tendentes a evoluir, faz parte de sua gênesi política.
Caudatário das oligarquias transplantadas dos demais estados do Nordeste para nossa terra, através do Senador Vitorino, procurou de imediato aliançar-se com este, em favor do qual fazia exacerbada apologia, e ainda o tratando por chefe, com gestos bajulatórios...
Durante os 14 anos que se juntou com Vitorino, contribuiu substancialmente para transformar o Maranhão num celeiro de atraso e miséria! Isso acontecendo na primeira fase da sua já acidentada carreira política.
Inspirado no fisiologismo, comumente a presidir as suas ações, tão logo previra o declínio do império vitorinista, rompe com o mesmo, colocando seu apoio à disposição da facção que com tanta veemência combatera!
Note-se que, anos antes, objetivando à participação de seus mais fieis escudeiros no primeiro escalão do governo da época, simula desligamento com os detentores do poder, dizendo-se a favor da candidatura do deputado Millet à governança do estado. Porém, bastou o chefe do Executivo disponibilizar-lhe duas secretarias de Estado (Saúde e Agricultura), para que ele retornasse às suas raízes ou ao salutar convívio vitorinista. Consumara-se, dessa forma, mais uma vilania por parte da figura em foco!
O mais cômico acontece no momento em que, incorporando-se ao novo grupo, utiliza-se, sem o mínimo escrúpulo, de recursos espúrios para criticar os mesmos mandatários que o ajudara a eleger. O refrão por ele instrumentalizado baseava-se no atraso sofrido pelo Estado naqueles 20 anos de domínio vitorinista, como se o mesmo nunca participara desse vergonhoso e deprimente processo!
A realidade é que, estimulado pela volúpia do poder a lhe abastecer o ego, nunca soube ser oposição. Acostumou-se desde cedo a depender de governos. Agindo como experiente bailarino político, só dança mediante os acordes sublimados pelos orquestradores do poder. E como dança!...
Nos idos que antecederam sua candidatura à governança estadual, através do artigo de nossa autoria, publicado no Jornal Pequeno, intitulado a FALSA COMÉDIA, alertávamos o perigo que representava para o Maranhão o ainda jovem José Sarney!
Para não nos alongarmos, fiquemos só nesses detalhes, embora existam tantos outros.
Agora, fazemos um apelo à nova geração: que esta fixe na memória, se possível de forma didática, a máxima (já que esta tem a ver com a figura do político José de Ribamar Ferreira de Araújo Costa, por cognome Sarney): PASSADO COMPROMETEDOR, FUTURO DUVIDOSO!

(*) Wagner Baldez - é Servidor Público Aposentado, membro do Comitê de Defesa da Ilha, um dos fundadores do instituto Maria Aragão e integra a Executiva Estadual do PSOL/MA.

domingo, 13 de julho de 2014

SETE TESES EQUIVOCADAS SOBRE A COPA E A BOLA CHEIA DO BAIXINHO



Franklin Douglas (*) 


Estão por volta de sete as teses equivocadas que foram proliferadas sobre a Copa do Mundo no Brasil. As quais:
1ª tese equivocada – NÃO VAI TER COPA. Máxima autoritária e complemente distante da identificação do povo brasileiro com o futebol. Evidente que não ganharia as massas para colocá-las em movimento. Mesmo as palavras de ordem com elaboração mais realista (“Na Copa vai ter luta” e “Torcer pelo Brasil no campo e nas ruas”) foram incapazes de reacender o fogo das manifestações de Junho de 2013.
2ª tese equivocada – DILMA COMPROU A COPA. A derrota humilhante para a Alemanha deixou essa tese tão inacreditável quanto o chocolate de sete a um que a seleção tomou.
3ª tese equivocada – DILMA VENDEU A COPA. Se a tese anterior era absurda, aos autores dela não há limites, inventa-se o seu inverso, ainda que seja também tão absurda quanto. Afinal, o que ganharia a Dilma, às vésperas de uma eleição, para vender a Copa?
4ª tese equivocada – AS OBRAS SERÃO O LEGADO DA COPA. O torneio finda, mas as obras ficam... quais obras, cara pálida? O que ficam são estruturas superfaturadas e outras tantas inacabadas, cuja conclusão será devidamente “aditada” a fim de ser terminada, quiça, até as Olimpíadas de 2016, no Rio, pois nas demais cidades, elas se arrastarão indefinidamente e nada de metrô, viadutos, aeroportos, etc. Ou tudo isso, mas pela metade.
5ª tese equivocada – A COPA DA PÁTRIA DE CHUTEIRAS. A mais ilusória das teses. A Copa não é do governo, muito menos do país ou da pátria. A Copa pertence à FIFA, uma entidade privada, sem controle público algum e dirigida por cartolas que estão mais interessados nos negócios milionários gerados pelo evento do que na saúde dos atletas ou na qualidade do futebol.
6ª tese equivocada – A COPA DAS COPAS. Afora os jogos emocionantes e os resultados inacreditáveis em algumas das partidas, a Copa de 2014 não marcará o futebol mundial como a melhor da História. E ficará muito longe do cenário desenhado pelo ex-presidente Lula da Silva que disse que esta seria “uma copa para argentino nenhum botar defeito”... talvez, realmente, só os argentinos terão muito a agradecer por este mundial organizado para eles no Brasil.
7ª tese equivocada – SÓ TEM “COXINHA” NA TORCIDA DOS ESTÁDIOS. Eis o motivo da vaia à Dilma. Se é verdade que nas “arenas” não havia “povão”, também é verídico que lá estava, ainda que em menor quantidade, aquela “nova classe média” propagandeada pelo lulo-petismo. Que comprou seus ingressos a R$ 60,00, nos primeiros lotes colocados à venda, e passagens nas diversas promoções das companhias aéreas. E que também, em boa parte, vaiou sim a Dilma, mesmo que fazendo coro aos que lucram pesadamente com o governo do PT-PMDB, como atores globais e classe alta do país.
Essa é a lógica de sustentação do governo: uma demanda com significativo apoio na sociedade; forte financiamento com fundos públicos a um programa governamental voltado a essa demanda; acertos com o grande capital envolvido na execução do programa; um bem montado esquema subterrâneo de captação de financiamento “impróprio” ao partido à frente do ministério que executa o programa; e um pouco de participação, devidamente remunerada, de entidades sociais da base do governo para fazer o “controle social” do programa...
E, ainda assim, os setores abastados pelas benesses do governo vaia o governo que os financia, que ganha repercussão pela situação social gritante que passa o povo brasileiro, que já não tinha educação, saúde e transporte de qualidade, e agora ficou sem o reinado do futebol.
Mas deixo essas sete teses equivocadas proliferadas sobre a Copa para registrar a melhor das críticas sobre esta “Copa das Copas”. Com a palavra o tetracampeão Romário:
(...) Fora de campo, já perdemos a Copa de goleada!
Nosso futebol vem se deteriorando há anos, sendo sugado por cartolas que não têm talento para fazer sequer uma embaixadinha. Ficam dos seus camarotes de luxo nos estádios brindando os milhões que entram em suas contas. Um bando de ladrões, corruptos e quadrilheiros!
Estou há quatro anos pregando no deserto sobre os problemas da Confederação Brasileira de Futebol, uma instituição corrupta gerindo um patrimônio de altíssimo valor de mercado, usando nosso hino, nossa bandeira, nossas cores e, o mais importante, nosso material humano, nossos jogadores. Porque não se iludam, futebol é negócio, business, entretenimento e move rios de dinheiro. Nunca tive o apoio da presidenta do País, Dilma Rousseff, ou do ministro do Esporte, Aldo Rebelo. Que todos saibam: já pedi várias vezes uma intervenção política do Governo Federal no nosso futebol.
Em 2012, eu apresentei um pedido de CPI da CBF, baseado em uma série de escândalos envolvendo a entidade, como o enriquecimento ilícito de dirigentes, corrupção, evasão de divisas, lavagem de dinheiro e desvio de verba do patrocínio da empresa área TAM. O pedido está parado em alguma gaveta em Brasília há dois anos.
A corrupção da CBF tem raízes em todos os clubes brasileiros, vale lembrar que são as federações e clubes que elegem há anos o mesmo grupo de cartolas, com os mesmos métodos de gestão arcaicos e corruptos implementados por João Havelange e Ricardo Teixeira e mantidos por Marin e Del Nero [Romário só esqueceu de citar o eterno vice-presidente da CBF, também integrante dessa máfia por ele denunciada: Fernando Sarney].
Dilma tem sim que entregar a taça para outra seleção. Este gesto será o retrato do valor que ela deu ao nosso futebol nos últimos anos! Eles levarão a taça e nós ficaremos com nossos estádios superfaturados e nenhum legado material, porque imaterial, mostramos para o mundo que com toda nossa dificuldade, somos um povo feliz.”
É ou não é um craque esse baixinho, caro leitor, cara leitora?

Mesmo fora do campo, Romário continua jogando uma verdadeira bola cheia. Valeu por essa, peixe!


(*) Franklin Douglas -  jornalista e professor, doutorando em Políticas Públicas (UFMA), escreve ao Jornal Pequeno aos domingos, quinzenalmente. Publicado na edição de 13/7/2014, opinião - p. 03


quarta-feira, 9 de julho de 2014

O "seis" promete empregos que o pai não trouxe... O "meia-dúzia" devia propor o menos promessas mirabolantes!

O Imparcial - edição de 9/7/2014 - p. 3



O "seis" promete gerar mais emprego... o pai, ministro das Minas e Energia, disse que a Refinaria Premium da Petrobras em Bacabeira seria o carro-chefe dessa geração de emprego... palavras ao vento!

O "meia-dúzia" promete Mais Médicos, Mais Bolsa Família (com um tal cartão de material escolar) e Água para todos... na cidade que ajudou o prefeito a ser eleito, a saúde é cada vez menos, as escolas estão paradas por conta de uma greve de professores e a "negociação firme com a CAEMA" não passou de marketing de campanha, tais como essas propagandas de Mais isso, Mais aquilo... devia propor o MENOS PROMESSAS MIRABOLANTES!

Você vai cair nessa enrolação de novo?
NemSeisNemMeiadúziaÉPedrosa50!!

| Combate à corrupção |
| Radicalizar na Educação |
| Fortalecimento do SUS |
| Devolução do Hospital do IPEM aos servidores |
| Auditoria do Programa Viva Saúde dos (inexistentes) 65 hospitais da oligarquia |
| MUDAR DE VERDADE A CONCEPÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DO MARANHÃO - Desenvolvimento rural conforme os eixos do Seminário Carajás e os elementos centrais do Grito da Terra Maranhão |
| Auditoria da Dívida do Estado |
| Participação Popular e Planejamento descentralizado |
| Tarifa Zero e transporte de qualidade nas principais cidades |
| Fortalecimentos dos Conselhos de Políticas Públicas e do Plano Estadual de Direitos Humanos |

OS SONHOS NÃO ENVELHECEM - Plínio de Arruda Sampaio (1930-2014), PRESENTE!

Com Plínio, aprendendo que os SONHOS NÃO ENVELHECEM!


Foto: Plinio de Arruda Sampaio morreu...
VIVA O PLÍNIO!!
Nas eleições de 2010: uma opção ao Brasil



Foto: Plinio estará sempre presente. Aqui recebendo, junto com Harodo Haroldo Saboia,  a medalha dos 25 anos da Constituição Cidadã.
Na Constituinte-1988:  a defesa da Reforma Agrária

terça-feira, 1 de julho de 2014

E sobre a apologia à exploração sexual infantil no eixo Maranhão-Ceará, o que têm a dizer Edinho e Flávio Dino? Gastão e Roberto Rocha?

Seis (Edinho) e Meia-dúzia (Dino):
Nada sobre a nota de PH...

O candidato do PSOL, Luís Antonio Pedrosa,  já se posicionou pela imediata investigação por parte do Ministério Público. Não só condenou a nota, como reafirmou seu compromisso com a política em defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes e contrário à exploração sexual e tráfico de pessoas, reforçando a denúncia feita pelo candidato do PSOL ao Senado, Haroldo Saboia (leia aqui e aqui).


Enquanto isso, nada se ouve do candidato da oligarquia, Lobão Filho (PMDB), e da oposição consentida, Flávio Dino (PCdoB). Nada dos candidatos ao Senado Gastão Vieira (PMDB), pela oligarquia, e Roberto Rocha (PSB), pela dissidência oligárquica.

O Senado Federal já foi protagonista de importante CPI sobre a exploração infantil, proposta pela, então, senadora cearense Patricia Gomes. Não é esse um tema para as candidaturas majoritárias (governador e senador) nas eleições maranhenses?


O debate já está além terras maranhenses. Repercute também no Ceará, através do artigo de Carolina Peters, na íntegra, abaixo:

OLIGARQUIA E PATRIARCADO

Diário Liberdade - Por Carolina Peters

Deu no O Estado do Maranhão, publicação ligada à família Sarney (foto).

sarna

Colunista do suplemento Revista PH publicou, em 29 de junho, a seguinte nota de canto de página:

"GAROTAS DE PROGRAMA – Um grupo de mulheres maranhenses, ainda cheirando a leite, encontra-se em Fortaleza desde o começo da Copa do Mundo. As jovens só voltarão a São Luís após o encerramento dos jogos e o retorno dos turistas aos lugares de origem. Notícias que chegam de Fortaleza dizem que elas estão super felizes com os dólares e euros amealhados em função da Copa."

Aos que estranham o léxico, "cheirando a leite" é isso mesmo que lembra: desmamadas. Em outras palavras, meninas. O Ceará é tragicamente um reconhecido destino de turismo sexual, no qual a exploração de menores tem notoriedade. Com o fluxo de turistas homens, brasileiros e estrangeiros, exacerbado pelo mundial de futebol; o fluxo de meninas e mulheres para suprir a demanda sexual (ou de poder sobre os corpos de outras?) destes também cresce. (E pensar que há quem defenda que o auxílio financeiro de terceiros para a locomoção de pessoas para o exercício da prostituição não tem nadica de nada a ver com o tráfico de pessoas e a exploração sexual, mas cada um que durma com sua fantasia acerca da liberdade que supostamente existe em trocar seu corpo por dinheiro para subsistir. Esse debate rende artigos a parte).

Um dos grandes livros da literatura portuguesa contemporânea, as Novas Cartas Portuguesas (1972), faz o resgate da quase mitológica soror Mariana Alcoforado, autora/protagonista das Cartas Portuguesas (séc. XVII), para discutir, no contexto do salazarismo, o papel da opressão às mulheres – em particular o cerceamento de sua sexualidade – na manutenção do regime autoritário e, no limite, da ordem capitalista que o viabilizou. Maria Isabel Barreno, Maria Teresa Horta e Maria Velho da Costa traçam com primor estético essa relação capitalismo-patriarcado, já estudada e teorizada por autoras de não-ficção, e a inevitabilidade da esquerda enfrentá-los de conjunto, caso realmente desejemos por fim ao capital.

Onde predomina um sistema de concentração do poder político e profunda desigualdade social, as mulheres são particularmente afetadas. Daí que um veiculo de comunicação a serviço da oligarquia local trate com tamanha naturalidade a exploração sexual de crianças e adolescentes. Dentro do coronelismo, o poder político se mantém com amparo do controle ideológico e econômico. Opera através da concentração da terra, da mídia, e do controle sobre o que está no âmbito do privado, das relações sociais que se sobrepõem às relações de trabalho, e controle também sobre a sexualidade das mulheres.

Este talvez seja um caso mais caricato, mas não foge ao que se expressa nos grandes centros. As meninas maranhenses a quem não se permite sonhar mais do que em ganhar dólares e, quem sabe, tirar a sorte grande e desposar um gringo, estão mais próximas das nossas meninas formadas pela Disney do que gostaria a classe média, embora distanciadas pelo abismo social que faz de umas princesas, outras putas. Em nossas metrópoles tão modernas, também a política é regida pelos interesses dos grandes grupos econômicos, a ver pela extensa lista de financiadores de campanhas recompensados com largas fatias do orçamento público. A grande mídia a serviço de grupos políticos e econômicos, que criminaliza os movimentos sociais e barra as opiniões divergentes é a mesma que representa as mulheres como objetos do desejo alheio, sem autonomia, e sem diversidade de cor, de credo, ou tipo físico.

A política não se faz somente no espaço público. Ela adentra nosso cotidiano e delimita em maior ou menor medida nossas possibilidades de ser para além dos rincões onde a literatura sociológica tipificou o Homem Cordial. Modificar profundamente o sistema político brasileiro, sem mexer na mídia monopolizada e estabelecer seu controle pela sociedade, é uma ilusão.

-----
Revisado às 12h34 de 2/7/2014.